Untitled Document
   
conheca ent-judiciario associados esmesc sala-imprensa
Novo presidente do TRE-SC defende “ressignificação” do voto, com participação ativa e consciente do eleitor nas eleições
13/03/2018 - 10:03:26   No. Acessos: 162

O Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) empossou na noite desta segunda-feira (12/3) os seus novos dirigentes, em solenidade realizada no auditório do Pleno do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ/SC). Assumem o comando da Justiça Eleitoral catarinense os desembargadores Ricardo José Roesler e Cid Goulart Júnior, respectivamente como presidente e vice-presidente (e corregedor) do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina para o biênio 2018-2020. Tomam assento como juízes substitutos da Corte os desembargadores Volnei Celso Tomazini e Jaime Ramos.

Em seu discurso, o desembargador Ricardo Roesler defendeu um maior engajamento do eleitor no pleito deste ano. “Um dos grandes desafios para a Justiça Eleitoral do século XXI e a inescusável responsabilidade de seus membros é o trabalho no sentido de buscarmos a ressignificação do voto para o resgate da confiança da sociedade na atividade política. Ressignificar o voto é simplesmente lhe dar o devido valor. Votar consciente. Votar com responsabilidade. É sem dúvida um exercício de crença”, enfatizou.

O vice-presidente e corregedor, Cid Goulart Júnior, iniciou seu discurso desejando ao presidente uma gestão repleta de êxitos. Ressaltou a celeridade e a transparência da Justiça Eleitoral brasileira, afirmando ser ela um dos pilares de sustentação de nosso atual regime democrático, mas não certamente o único. “Os avanços do nosso regime democrático somente foram possíveis porque houve a participação de todos, governo, partidos políticos, empresas privadas, instituições públicas e cidadãos”, sublinhou.

Em seu discurso de despedida do cargo de presidente, logo no início da sessão, o desembargador Monteiro Rocha chamou a atenção para aquele que promete ser um dos principais problemas a serem enfrentados nas eleições deste ano: as “fake news” (notícias falsas). “Elas sempre existiram. O que se tem de novo é a disseminação fácil e rápida dessas informações, por meio das mídias sociais, com a possibilidade de milhões de usuários compartilharem inverdades que alteram significativamente o quadro eleitoral”, alertou.

Também fez uso da palavra o juiz Davidson Jahn Mello, ressaltando que o novo presidente “sucede no TRE a um dos mais infatigáveis administradores que por lá passaram, dando prosseguimento a uma série de destacados gestores que vêm, desde longe, legando ao povo catarinense um rastro cintilante de excepcionais e duradouras realizações, que possibilitaram – e ainda gerarão – ganhos inestimáveis à democracia e à cidadania”. “Tenho certeza absoluta de que a nova gestão será orientada para a grandeza da democracia e da jurisdição”, frisou.

A presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses (AMC), juíza Jussara Schittler dos Santos Wandscheer, prestigiou o evento e desejou sucesso aos novos dirigentes do TRE/SC. Ela colocou a entidade à disposição para ser parceira do TRE em campanhas que fortaleçam o sistema democrático por meio da valorização do voto popular. Destacou, ainda, o engajamento histórico dos juízes estaduais na construção e fortalecimento da Justiça Eleitoral brasileira.

Compuseram a mesa de autoridades o juiz conselheiro Márcio Schiefler Fontes, representando o Conselho Nacional de Justiça, o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Carlos Vieira von Adamek, representando a  corregedoria do Conselho Nacional de Justiça, o Ministro do Superior Tribunal de Justiça e do Tribunal Superior Eleitoral, Jorge Mussi, o governador de Santa Catarina em exercício, Eduardo Pinho Moreira, o presidente do TJSC, desembargador Rodrigo Tolentino de Carvalho Collaço, o deputado estadual Roberto Luiz Salum, representando a Assembleia Legislativa de Santa Catarina, e o presidente da OAB-SC, Paulo Marcondes Brincas. (Com informações da Assessoria de Imprensa do TRE-SC).